A lenda da Bruxa do Espelho


A lenda da Bloody Mary também conhecida como Maria Sangrenta, a Bruxa do Espelho e a Loira do Banheiro. Sobre esta lenda, há muitas histórias sobre sua origem que também tem sua controvérsias.
 
A lenda diz que se uma pessoa repetir o nome dela três vez em frente ao espelho a pessoa será amaldiçoada, depois de realizar o ritual, irá aparecer uma mulher toda pálida, sem olhos e coberta de sangue que irá pular em cima de você rasgar todo o seu rosto e arrancar seus olhos. 

Esta lenda surgiu por causa da rainha inglesa Maria I, da dinastia Tudor. O seu reinado foi marcado por um grande terror, como a fome, peste e perseguições religiosas. Uma rainha totalmente cruel, ela matava suas vítimas com extremo sadismo, assim ganhou o apelido de “Maria Sangrenta”. Ela também é conhecida por ter sofrido inúmeros abortos espontâneos ou gestações falsas.

Outras versões da Lenda

A primeira, conta sobre uma mulher que viveu no tempo da inquisição quando as bruxas eram perseguidas para serem queimadas vivas, antes de sua morte a mulher amaldiçoou todos que estavam envolvidos em sua morte e todos que repetissem seu nome. Outra versão, conta sobre uma mulher que tinha um rosto muito lindo e que devido a um acidente de carro ela acabou tendo o seu rosto todo desfigurado. As pessoas que viam o seu rosto começavam a zombar e humilhar, cansado das pessoas fazerem isso, ela resolveu fazer um pacto com demônio para se vingar de todas as pessoas que ousassem dizer o seu nome.



No final do século XIX, Mary foi morta por um médico-cirurgião que arrancou os seus olhos e jogou o seu corpo em frente a um espelho, em seus últimos suspiros ela tentou revelar o seu assassino escrevendo a letra T no espelho. Esta era a marca registrada do assassino. A lenda sobre Mary conta que se uma pessoa disser o nome dela três vezes em frente ao espelho, ela irá aparecer para alguém que esteve envolvido em algum assassinato e manteve este acontecimento em segredo. Antes de matá-lo, ela primeiro arranca seus olhos e grava o nome de quem foi morto.

Outra lenda conta sobre uma menina chamada Maria que perdeu o seu pai durante a Segunda Guerra Mundial, a menina sofreu todo tipo de injustiça, foi humilhada e passou por miséria. Maria junto com sua mãe começam a passar por tempos difíceis e isso faz com que maria tenha uma infância perdida pelas tragédias que foram causadas em sua vida, a cada dia que passava as coisas ficava mais difícil, até que acontece a maior tragédia em sua vida, maria acaba sendo morta no banheiro de sua escola. 

Loira do Banheiro 

A lenda da Loira do Banheiro teve origem em Guaratinguetá-SP, conta a história real de uma mulher chamada Maria Augusta de Oliveira Borges. Era uma jovem de 14 anos de idade que teve um casamento arranjado com um homem muito mais velho do que ela, o conselheiro Dutra Rodrigues, a pobre garota viveu um casamento muito infeliz que só conseguiu se separar 4 anos depois. Livre do deste casamento forçado, Maria vendeu todas as suas jóias e fugiu para Paris e começar uma nova vida, mas infelizmente ela acabou morrendo em 1891, ao 26 anos. A sua morte ainda é um mistério porque o seu atestado desapareceu misteriosamente. Muitos apontam de que ela tenha morrido de raiva, uma doença que era comum na Europa e que causa desidratação. Após o seu corpo ter voltado ao Brasil, o corpo da jovem foi para o casarão da família onde seu corpo foi mantido dentro de uma urna de vidro, enquanto o seu túmulo ainda estava sendo preparado. A mãe de Maria, Amélia Augusta Cazal, arrependida, não queria enterrar a filha mesmo com a sepultura pronta, até que ela começou a ter visões da sua filha pedindo para deixar ela ser enterrada. Devido a isso, sua mãe deixou enterrá-la.

Em 1902, dez anos após o seu enterro, a casa onde maria viveu foi destruída e deu lugar à Escola Estadual Conselheiro Rodrigues Alvez. 

Depois de um tempo em que a escola foi construída, começou a surgir boatos de que o espírito de Maria estava vagando pela escola, principalmente nos banheiro onde ela abria todas as torneiras para saciar sua sede, e fica pedindo para que fizessem o seu enterro. A história só ganhou mais força quando ocorreu um incêndio misterioso em uma parte do prédio, em 1916.

Foi por causa deste acontecimento que a lenda começou a se espalhar em todos os colégios, esta lenda acabou se juntando com a lenda da Bloody Mary. Como conhecemos hoje, ela é descrita como um espírito de cabelo loiro, vestes branca comprida, com pedaços de algodão na boca, ouvidos e nariz. Para invocá-la era através de rituais, que varia de acordo com o colégio. Para realizar o ritual a pessoa tinha que chamá-la três vezes em frente ao espelho, bater a porta do banheiro, falar palavrões, chutar a privada e dar descarga.

Postar um comentário

0 Comentários